Relatos de Viagem

Atacama -2017

19 de dezembro de 2017

Bastidores da expedição

Paisagem incrível de Piedras Rojas ao fim do dia.

Piedras Rojas

Por Tom Alves

O deserto mais árido do mundo já era um destino que eu há muito tempo gostaria de retornar para conduzir uma expedição. O Atacama é um paraíso para qualquer fotógrafo de paisagens. Com seus cenários surreais, alguns lugares parecem mesmo ser de outro planeta. Em meio a vulcões, lagos de altitude, montanhas, ventanias e tempestades de areia, esta viagem foi um deleite para os sentidos, numa desafiante e prazerosa imersão no mundo da fotografia.

Última luz do dia colorindo a paisagem inóspita do Atacama

Última luz do dia colorindo a paisagem inóspita do Atacama

Nossa expedição começa com a chegada da turma no aeroporto de Calama. Momento gostoso, hora de conhecer novas pessoas e rever aquelas que já viraram nossos amigos, expedição após expedição. =) Depois de todos devidamente acomodados, fizemos um bate-papo no hotel, aonde comentamos todo o roteiro. Eu e Nataja já estávamos a uma semana na região, garantindo que cada detalhe planejado pudesse ser revisado para melhor receber nossos passageiros.

As primeiras locações foram próximas a San Pedro de Atacama, para que todos tivessem tempo de se aclimatarem à altitude, antes de subirmos o altiplano. Visitamos lugares como a Reserva dos Flamingos da Laguna Chaxa, ao nascer do sol, e o Vale da Lua, na última luz do dia.

Lua Cheia nascendo sobre a Cordilheira dos Andes

Lua Cheia nascendo sobre a Cordilheira dos Andes

Houve até um memorável voo de balão, numa manhã de pura calmaria e luz incrível. Difícil descrever a alegria e as sensações todas de sobrevoar com tamanha calma aquele mundo chamado Atacama.

A seguir, encaramos aventuras mais desafiantes, como enfrentar o frio absurdo do amanhecer nos Geysers del Tatio. Sob uma temperatura negativa, talvez -5 graus (ou menos!), fotografamos o espetáculo da atividade geotérmica que promove os chafarizes gigantes e fumaças de enxofre destes geisers.

Madrugamos também para viajar quase duas horas até as Piedras Rojas, num amanhecer onde a natureza mostrava toda sua beleza e fúria. Ventos fortíssimos, nuvens carregadas, dramáticas e frio intenso. Mas, ao mesmo tempo, numa beleza cênica de tirar o fôlego.

A fotografia de natureza muitas vezes requer que saiamos de nossa zona de conforto. Sair da cama muito cedo e vencer obstáculos, como climas hostis, faz parte dos atributos que um fotógrafo outdoor precisa ter. Acho que estes esforços só valorizam nossas conquistas e nos presenteiam com imagens verdadeiramente impactantes e que narrem uma história concisa, documental.

Por isto, gostaria de agradecer a todos estes bravos guerreiros, que passaram por cima de todas as dificuldades e nos acompanharam em uma expedição épica!

A recompensa pela persistência

A recompensa pela persistência

Fotógrafo antes mesmo de saber disso. Minha fotografia nasceu do observar e conviver com a natureza, com o sertão e seus sertanejos.

Leia também

Serra do Espinhaço – Julho 2017 Um ano após a segunda edição da expedição fotográfica Serra do Espinhaço, resolvemos repetir a dose. Malas pro...
Chapada Diamantina – 2017 Morro do Camelo e Serra dos Brejões ao Por do Sol Por: Tom Alves Pelo terceiro ano consecutivo, nossa a...
Patagônia – El Chaltén 2017 Por Tom Alves Enfim, chegou o momento tão aguardado. Voltar à Patagônia, uma das porções de terra mais inex...

Curta Nossa Página no FB!