Relatos de Viagem

Relato Dolomitas 2019

10 de fevereiro de 2020

Bastidores da expedição

Tre Cime ao por do sol

Por Tom Alves

Dolomitas. Uma região ainda relativamente pouco conhecida pelos brasileiros. Mas de beleza singular. Me arrisco a dizer que aquelas paisagens figuram entre as mais incríveis do planeta. Um enorme parque de diversões para os fotógrafos de natureza.

Localizada nos Alpes Italianos, extremo norte deste país e fronteira com a Áustria, a cadeia de montanhas batizada de Dolomitas (devido à homônima rocha) foi o nosso destino de outubro de 2019. Estivemos lá com dois grupos, que se deleitaram com as belezas e claro, com as riquezas gastronômicas dos patrícios!

Vamos ao relato, propriamente dito: (vou resumir em apenas um, a experiência dos dois grupos, pois nosso roteiro foi o mesmo).

A viagem iniciou-se em Veneza, cidade já bem próxima dos Alpes e com aeroporto internacional. Algumas pessoas já resolveram chegar um pouco antes para um pouco de turismo e compras na badalada cidade. Mas nosso roteiro fotográfico teria outro destino. Após as clássicas apresentações, briefing e jantar de boas vindas, começamos o segundo dia da viagem com um deslocamento para a região de Bolzano, mais especificamente num bucólico vale chamado Val di Funes. Quando chegamos a pequenita Vila de Santa Madalena, parecíamos entrar num conto de fadas, ou numa espécie de sonho de paraíso na Terra. Gramados brilhando de verdes, pastagens a perder de vista, enormes vacas holandesas e aquele casario histórico, sempre em contraste com aquele céu azul infinito … uma aquarela real.

Permanecemos dois dias pelo Vale, onde fotografamos não só a beleza rural da região, mas também visitamos o Parque Natural Puez Odle. Aos pés do maciço dolomítico, repousa Santa Madalena e San Pietro, duas vilas que parecem ter parado no tempo. Fotografamos alguns dos cartões postais da região, mas também buscamos novos ângulos nas pequenas caminhadas que fizemos ao ar livre. E durante as noites, como ninguém é de ferro, confraternizamos ao estilo local. Massas,  defumados, queijos, vinhos e cervejas artesanais (alemãs e austríacas) nunca faltavam à mesa!  

Ainda na região de Bolzano, passamos pela bela Ortisei, uma cidade maior, porém com ares pacatos do interior. E fomos terminar o quarto dia da viagem de frente para as montanhas do “Sassolungo e Sassopiatto”. Escolhemos a mais extensa região de pastagens alpinas da Europa como locação para nossas imagens. Rústicas cabanas de madeira, distribuídas exparsamente pelo infindável tapete amarelo formado pelo capim do planalto, era nosso primeiro plano. E ao fundo, as Dolomitas. Uma paisagem emudecedora. Apenas nosso grupo e a natureza, numa paz e silêncio profundos.

E falando nisso, uma das grandes vantagens de se viajar pelas Dolomitas, é que os locais não são – ainda – super frequentados. Em quase todos os locais que fotografamos, éramos somente nossa turma ou outros poucos turistas ou fotógrafos. Sem tumulto, barulho, e sem disputa por ângulos ou espaço para armar o tripé. Para quem tem experiência em viajar pelos ícones da fotografia de paisagens, como Islândia, Nova Zelândia, EUA e tantos outros países, sabe exatamente do que estou falando.

Seguimos nossa viagem, por cada vez mais fascinantes paisagens. O outono, já no seu apogeu, tingia a vegetação, ora de tons alaranjados, ora mais avermelhados. Sobretudo nas cênicas e sinuosas estradas que conduziam a passos de montanha, como o Passos Gardena, Giau e Sella.

Os últimos dias da viagem se dedicaram a percorrer as redondezas de Cortina D` Ampezzo, a mais charmosa cidade dos Alpes Italianos. Era a hora de fotografar belos lagos de águas cristalinas, como Antorno, Braies e Misurina. E também conhecer um de seus principais cartões postais, o Parque Tre Cime di Lavaredo. Uma caminhada de aproximadamente uma hora separava o local onde deixamos os carros da base daquelas três torres colossais. Um esforço que valeu cada passo. Difícil descrever a magnitude e beleza daqueles momentos. As câmeras, ainda que registrem com qualidade, não chegam sequer próximas da plenitude do momento. Pois o arrombo de paz e serenidade que a montanha nos traz, somente sentindo, in locco.

E assim nos despedimos de mais duas viagens marcantes. Fotografar o outono nas Dolomitas foi um misto de tranquilidade, paz e sinceras emoções, no coração dos Alpes da Itália.

Super obrigado a todos nossos companheiros de viagem. Grupos super coesos, amigos e muito queridos. Nossas mini farras nos momentos de relaxamento nos restaurantes foram inesquecíveis. Família Travessia, cada dia mais unida!